terça-feira, 21 de abril de 2009

Cristãos indianos treinados e lutando por seus direitos


ÍNDIA (22º) - Esta é a terceira parte do artigo intitulado A realidade sobre a Índia. Leia a primeira e a segunda parte.


Na Índia, país predominantemente hinduísta, os cristãos são de longe uma minoria. Eles têm sido perseguidos durante anos, e no estado de Orissa, local mais tenso do país, cerca de 50 pessoas perderam suas vidas em uma onda de violência que ocorreu em 2008. Como ocorre a perseguição dos cristãos indianos? Qual é a história desses cristãos e como eles se preparam para enfrentar tamanha opressão?

Nova Déli – Lemos na Bíblia, em 2 Timóteo 3.12, que os seguidores de Jesus serão perseguidos. Alguns cristãos perguntam a Deus se ele colocará um fim a opressão, mas isso não acontecerá. A oração certa é a que pede a Deus a força para permanecer firme. A perseguição na Índia é a prova de que a igreja está cumprindo a vontade de Jesus: a ordem de seguí-lo. As palavras duras de Abhishek Singh, diretor da Portas Abertas Índia, no início do seminário, tiveram um efeito rápido. Era como se os pregadores e pastores presentes fossem rudemente acordados com uma sacudida.

“Incendiaram minha igreja, mas eu não estava preparado para enfrentar isso, de maneira alguma, e não conseguia entender por que tinha que acontecer com minha comunidade. Nunca pensei que a perseguição é parte vida diária de um cristão”, disse um pastor de Orissa.

O objetivo primordial do seminário, que recebeu o nome em inglês de Standing Strong Through the Storm (SSTS) [Permanecendo Firmes através da Tempestade – PFAT], é equipar os cristãos a resistir à perseguição. Os pastores têm se disposto a enfrentar viagens de trem de até quatro dias para se encontrarem com os irmãos e irmãs. A maioria deles não teve qualquer tipo de educação formal, por isso, prestam muita atenção nas aulas, ouvem as histórias uns dos outros, encorajam-se entre si com palavras e canções que alegram o coração. A felicidade desses cristãos, apesar do sofrimento, das prisões, ofensas e perda de pessoas amadas, ilumina e impressiona os poucos ocidentais que participam do curso. Conhecer as histórias da Igreja Perseguida ao redor do mundo, contadas aos presentes por um membro da equipe da Portas Abertas Internacional, também traz encorajamento.

“Vocês não estão sozinhos. Por todo o mundo, centenas de milhões de cristãos estão sofrendo perseguição”, disse o membro da Portas Abertas.

Outro objetivo do seminário é gerar unidade entre os cristãos. Assim como em outros países, na Índia, os cristãos frequentam igrejas diferentes. Existem 38 denominações, desde a Igreja Católica Romana até a Igreja Luterana e Metodista. Os grupos evangélicos e pentecostais têm crescido rapidamente, principalmente em áreas rurais. O surto repentino de violência no país tem quebrado as barreiras denominacionais.

“A unidade em Jesus é mais importante do que o fato de alguém ser católico ou batista”, disse Singh.

O caminho da cruz

A Portas Abertas Internacional ministra esse curso em muitos países onde os cristãos são perseguidos. Singh e a equipe realizam cerca de 70 seminários por ano, em todas as partes da gigantesca Índia.

“Por causa do que houve em Orissa, os cristãos estão preocupados com a situação perigosa em que vivem. Mas eles estão preparados? Não, nem todos estão preparados. Não se esqueça de que a Índia é um país muito grande. Temos anos de trabalho a realizar”, disse Singh.

Santosh Munna, teólogo formado, tenta dar luz à Bíblia no que diz respeito ao fenômeno da perseguição: “Jesus tomou o caminho até a cruz, nós devemos estar preparados para fazer o mesmo. Não há outro caminho. Se você diz na Índia que Jesus é um caminho, nem os extremistas se incomodam com isso. Mas se você diz que Jesus é o Caminho, aí então você cria problemas. Nós temos que nos apegar ao que a Bíblia diz a respeito de Jesus. Não há nada que diga que nosso caminhar ao longo da vida será um mar de rosas”.

Ele ainda cita diversas afirmações de Jesus que demonstram que o sofrimento faz parte da vida cristã. Jesus disse em João 15.20: “Se me perseguiram, também perseguirão vocês”. Em Lucas 6.22, Jesus disse: “Bem-aventurados serão vocês quando os odiarem, expulsarem e insultarem, e eliminarem o nome de vocês, como sendo mau, por causa do Filho do homem”.

Baseando-se na primeira carta de Pedro, ele declara que Deus permite o sofrimento e tem um propósito para ele. “Deus tem um plano para Orissa. Não conseguimos entendê-lo ainda, mas um dia o entenderemos.”

Ele diz também que há uma benção no sofrimento em prol de Jesus, e no final de tudo, haverá vitória. “Nós, como pessoas, podemos ser impedidos de continuar, mas nada e ninguém pode conter Cristo e sua Igreja. A Igreja continuará a existir, não importa o que aconteça. Os cristãos podem proclamar essa vitória.”

Mas como responder às ameaças de violência? É possível ter armas para se defender e sua família? Não há nenhuma dúvida de que o comportamento bíblico para essas circunstâncias é de que os cristãos nunca devem revidar, mas sim “dar a outra face”. Essa afirmação causa comentários e discussões no ambiente.

“Sim, mas e se alguém está tentando cortar minha cabeça com uma espada? Eu realmente não tenho permissão de fugir?” Questionou um pastor.

Outro pastor disse que os cristãos não devem em hipótese alguma ser violentos, nem mesmo quando tiverem que se defender. Certa vez, sua igreja foi cercada por um grupo de hinduístas radicais com pedaços de madeira e armas. Ele disse: “Começamos a ler a Bíblia e orar em voz alta. Quando os hinduístas ouviram, eles pensaram que estávamos em um grande grupo dentro da igreja, por isso, se amedrontaram e fugiram”.

Imediatamente, um colega começa a contar uma história contrastante. Em sua comunidade, todos os membros da igreja, adultos ou jovens, receberam armas para defenderem a igreja. Quando os grupos extremistas ficam de frente com os cristãos armados, eles fogem. Quando falou isso, o teólogo disse: “Mas aí eles vão a outra igreja e incendeiam ela”.

Tentando encontrar um meio-termo na discussão, ele disse ainda: “Se você vai se defender ou não, isso dependerá das circunstâncias. Mas uma coisa nunca deve acontecer. Você jamais deve se defender usando armas, nem mesmo se alguém for assassinado, porque nossa esperança está na ressurreição em Cristo”.

“Amem seus inimigos e orem pelos que os perseguem,” ele falou citando Jesus em Mateus 5.44.

Direitos

Através do seminário, a Portas Abertas Internacional espera fazer com que os líderes pratiquem em casa o que aprenderam, de tal maneira que haja um efeito multiplicador. É por isso que o programa apresenta primeiramente e de forma resumida os assuntos dogmáticos, como por exemplo, a trindade, e só depois passa para o treinamento de liderança e para os elementos essenciais de ajuda a vítimas. Em Orissa, em 2008, a organização também realizou sessões de aconselhamento pós-trauma com os cristãos afetados. A maioria dos pastores tem somente a Bíblia, portanto, no final do curso, eles recebem trinta livros, desde comentários bíblicos até alguns livros teológicos básicos. Paralelamente a esse seminário, outro encontro também foi realizado em uma localidade diferente, sobre os direitos dos cristãos na Índia. Um dos preletores foi o advogado Ram Singh, de Orissa, sendo um dos poucos com formação legal na região. Ele admitiu que estava exausto por causa da quantidade de trabalho. O telefone toca sem parar. É verdade que os cristãos são minoria, mas sob a lei, eles têm tantos direitos quanto os hinduístas.

“Mas na prática, eles fazem pouco uso disso, simplesmente porque não conhecem seus direitos”, disse Singh.

Apoiado pela Portas Abertas Internacional, ele ensina aos cristãos que devem defender seus direitos. Os primeiros frutos são visíveis. Até agora, milhares de queixas oficiais foram apresentadas às delegacias de polícia.

“De acordo com a lei, a polícia deve levar cada queixa a sério. Dessa maneira, nós os forçamos a fazer algo”.

Para começar a pressionar as autoridades de Orissa a abrir os processos contra os criminosos e prover ajuda às vítimas, Singh e sua equipe submeteram um processo na corte mais alta do estado. Essa autoridade legal de alto escalão de Orissa pode forçar o governo a tomar alguma atitude. Por causa disso, mais policiais e militares foram solicitados, o que fez com que um segundo surto de violência, depois do assassinato de outro líder hindu, fosse impedido. No momento, centenas de extremistas hindus foram presos, segundo Singh.

“Acho que quando tudo se resolver, cerca de 5.000 devem ser presos, ele afirma de forma otimista.”

Apesar de todos esses sinais promissores, ninguém quer ou é capaz de dar uma declaração de como as coisas andarão em Orissa. Existem muitos problemas. Milhares de cristãos ainda estão vivendo em campos de refugiados. Somente um pequeno número de organizações, operando sob a direção da Cruz Vermelha, tem permissão de prover ajuda. Elas suprem as necessidades básicas, mas o inverno chegou e a situação tem se agravado.

É muito difícil para muitos retornarem aos lares, porque os documentos de proprietários foram perdidos com suas casas. Singh diz que é uma tarefa difícil em termos legais. Os hindus extremistas fizeram seu trajeto de destruição em três semanas, mas a reconstrução demorará muito tempo. O diretor da Portas Abertas Índia disse: “Se não houver outro surto de violência contra os cristãos, a reconstrução pode demorar dez anos”.

* Para evitar o reconhecimento das pessoas envolvidas, os nomes foram alterados no presente artigo.



Acesso em 21 de abril de 2009.

0 comentários:

Postar um comentário

DINAMI: Dia Nacional de Missões

DINAMI: Dia Nacional de Missões

Janela 10/40 O Maior Desafio Missionário da Atualidade.

Janela 10/40 O Maior Desafio Missionário da Atualidade.

Seguidores

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More